terça-feira, agosto 08, 2006

Durmo logo acordo


canção do carneirinho

Adeus, elegante repetição,
salto sobre salto sempre certo.
Desculpe, sou mesmo um desastrado.
Desaprendi a arte de pular cercas
e hoje já não sirvo para fazer dormir.

Na hora de dar sono sou mero penetra,
outra ovelha preta, desgraçadamente a cair.
Mas dentro do sonho você me encontra,
conta comigo quando a coisa escurece
e os meus amiguinhos já não estão nem aí.



virado do avesso

ponha-se na sonolenta sina
do sonhador profissional
calcule-se sonhar acordado
e, ao dormir, virar seu avesso

imagine-se despertar na real
e perto do eterno recomeço
abra-se e venha de lá um abraço

agora sim, amigo, eu te reconheço


3 comentários:

Haroldo Machado disse...

vichi!!! que boniteza isto!!!
bons sonhos, bom Roberto, bons sonhos...

doris disse...

vai daqui um abraço!

Bitten disse...

Lindíssimo!
Beco, tua poesia me emociona profundamente.