quarta-feira, maio 10, 2006

dez mandamentos

delire na criança
não bula na flor
pense estrelas
não rele no bicho
gire o sol
não zombe do bem
sofra uma lua
não duvide do amor
acredite nos amigos

e não saia da sua

(Roberto Prado)


são nunca

dei duro e eros me abriu seu coração
não preciso nem de boca pra baco estender o garrafão
marte me deu uma mão
mamom perguntou quanto era e puxou o talão
um belo dia tive de dizer não
mas ainda amo essa humanidade marrom
fiel a eros, baco, marte e mamom

(Roberto Prado)

16 comentários:

Anônimo disse...

eu çempre axei eçe tar de beco um tipo de rei midas. tudo qe o qara escreve vira oro. mas eçe ção nunca um dos poema mais dorado qe eu já vi na vida. iço num é nem obra prima, é uma obra cunhada, di tão boa. i ói qe o baco e o marte eu já iscruí da minha lista de amigos.

Anônimo disse...

Grande BEco, vou ter que musicar de novo seus belos poemas, espero que ainda não tenha ninguém de olho gordo neles.

abraço.

Careqa

Fraga disse...

E sem querer, ou por
muito querer, Roberto,
você aninhou os outros
9 mandamentos num só:
Não zombe do bem.

Adorei o substantivo
anagramado no verbo.

Outra preciosidade,
no poema inteiro, é
que os imperativos
não soam superiores;
numa civilização
taxativa de berço,
você vem e suavemente
insinua - obedeçam à
doçura. Uma espécie
mansa de oxímoro!

Sossegada sensação:
me sinto comandado
sem haver comandante...

Anônimo disse...

Fala Beco.
O careqa tá parecendo o Evo Morales com esse papo de reserva de mercado. Mostra aí careqa, bota as músicas na roda pra gente ver, cara.
Abraço pros 2, felizmente aqui não temos crise criativa

Anônimo disse...

Mensagem acima assina Ferreira.

Anônimo disse...

Ferreirinha,

não é reserva de mercado.
é reserva de bons vinhos.
abraço.


CC

roberto prado disse...

Compadre Adriano: esse toque de midas qu'ce'fala ach'q'começou lá naquele dia em que eu você e o Trindade escrevemos uma letra para vanerão com coisas como "sal dá de dez no açúcar" e "ela pode voltar/ na garapa de um diabete/ quem me rasgou em pedaços/ não vai querer que eu jogue confete". Des'aquele dia fiquei assim desse jeito. De oro em oro a oropa há de se curvar!

roberto prado disse...

Careqa, isso é música para os meus ouvidos. Como a Volta Triunfal triunfou, pode convidar essas letrinhas assanhadas para dançar. Abração!

roberto prado disse...

Fraga, você, para não variar, foi no meio do miolo e no centro do âmago. E pegando a matéria de jeito (captando a música da forma), acabou capturando o espírito. Quando fiz os versinhos onde aparecem alternamente os imperativos e as negativas eu estava, realmente, buscando dizer um grande SIM. Para que aqueles que não zombam do bem nunca pensem estar sozinhos. Grande leitura. Isso é, como dizia o Leminski, tresler. Abração!

roberto prado disse...

Pois é, Ferreira, o Careqa, além da eterna musa inspiradora pousada no ombro, está com um ritmo de paulicéia desvairada para o trabalho. Dá até uma invejinha. A "Volta triunfal" ficou duca.

Quanto à reserva de mercado (ou de vinhos), como no caso boliviano, não vai ser por falta de gás que vamos parar de cozinhar o galo. De canção em canção a gente ainda derruba a Muralha de Jerico (pois a de Jericó o Mautner já pôs abaixo numa música dele).

Grande abraço e muito gás aí na Grande Garagem que Grava, um empreendimento de herói de verdade, de gente que, como você mesmo disse sabe "ficar na sua".

Anônimo disse...

claro que serão bons vinhos . O necessário é disponibilizá-los para que todos possam bebê-los.
Tem um espaço no site do radiocaos para disponibilizar os arquivos de áudio, material bruto mesmo, essa é a idéia. É uma forma de expandir os blogs, que tal??
Ferreira

polacodabarreirinha disse...

Vc se refere a colocar links, Ferreira? Ou existe alguma outra forma? Dá pra fazer com músicas?
Me ligue. Seria legal, hein, Becão?


Ab

Thadeu

roberto prado disse...

É mesmo, Thadeu. Seria sensacional poder falar da canção e colocar a letra no blog e ainda dar a possibilidade do caboclo ouvi-la lá no Rádio Caos. Como é que funciona, Ferreirão?

Anônimo disse...

vou ligar procês.
Abraço.
ferreira

Anônimo disse...

beco
pra variar , um poema maravilhoso
Rodrigo

roberto prado disse...

Valeu, Rodrigão. Tudo de bom procê, a muié e a cria. Abração.