quarta-feira, janeiro 24, 2007

Lamentações de um coitadinho subtropical

Aí vai mais um texto publicado originalmente na revista Idéias, da Travessa dos Editores.

Passei a acordar às dez porque estou cansado de nove horas. Mas, como encarnado que sou e, portanto, sofredor solidário das vicissitudes da matéria, ainda considero útil um nadinha de formalidade. Ou até, talvez, quem sabe, um dia, já sonhando alto, viajando e querendo demais, alguma gentileza, de vez em quando. Se não for incômodo.

Veja bem, não estou pedindo a ninguém para colocar cadeiras na calçada, sentar e conversar com os vizinhos, enquanto uns jogam canastra, outros cantam ao som do violãozinho e o restante esmerilha o Lula, o Requião e o Beto Richa. Nem me passa pela cabeça que façam serenatas, como aquele meu inesquecível tio de Santo Antônio da Patrulha. Menos, bem menos.

O que é que custa aos curitibanos aborígenes e agregados, meus caros companheiros de glórias e infortúnios subtropicais, responder emails, retornar ligações ou, sendo bem realista, ao menos retribuir os tímidos bons dias uns dos outros?

Afinal, não somos todos meio parentes por parte de Dalton Trevisan? Não trincamos a mesma broinha de fubá mimoso? Não bebericamos igual licor de ovo? Não viramos (ou estamos virando) mão-de-obra escrava à disposição de empresas paulistas e/ou multinacionais que para aqui vieram com a nobre intenção de economizar 80% nos salários? Não escrevemos textos estupidamente entupidos de perguntas? E, sobretudo, não compartilhamos a idêntica desconfiança de que os amigos ursos, autóctones do sul do Trópico de Capricórnio, entocados entre os rios Paranapanema e Iguaçu, são incapazes de gestos desprendidos, de espontânea generosidade e distraída boa intenção?

Sossegue. Essas minhas desconsiderações podem, muito bem, ser apenas azedume passageiro. Mas, às vezes, é conveniente tomar uma dose dupla de chá de losna com vinagre e limão galego, cujo fel, dizem, evita que se crie calo na alma e limo no coração. É bom manter-se purificado, pois vem aí a conflagração universal. Como dizem as profecias, ela vai começar de um encontro mau-humorado entre os tubões da torcida organizada Império Alviverde e os rosários dos fiéis da novena do Perpétuo Socorro –que, apesar de vizinhos há quase um século, nunca se cumprimentaram.

Agora chega desse desleixo com o espírito alheio. Vamos ser otimistas. Numa dessas, na última hora, vem a recompensa: o Papai Noel me traz mais um bonequinho do Homem Invisível para a coleção.

(Roberto Prado)

6 comentários:

Bitten disse...

É isso aí Beco, se custar paga-se o preço, é justo.

Abração

roberto prado disse...

Bitten:
Às vezes não te parece que estamos por aqui apenas (ou principalmente) para aprender a dividir as dívidas?
Abração pra tu também.

Bitten disse...

Beco, quando quer me parecer isso, eu lembro que paguei à vista.

Abraço

roberto prado disse...

Então vamos nessa, Bitten, pagando para ver, enquanto a massa ensandecida continua pagando e andando.

Abração pra tu também

Thiago Luz Raft disse...

esse teu blog é riso e gozo certo. melhor do que muita garotinha por aí. parabens. Abraço.

roberto prado disse...

Que é que eu vou dizer, Thiago? Obrigadão pela presença aqui. E quando vier a Curitiba, pode visitar a toca do velho urso. Abração.