sábado, janeiro 10, 2009

Um poema do Marcos Prado

Marcos de chapéu rindo da minha distração no lançamento do livro Catalépticos, em mil novencentos e lá vai pedrada.

a mentira é a melhor é a melhor amiga das artes
nela, gelatinosa, as glosas seculares
minúcias de paisagens inexistentes
um coração onde cabe um milhão diferentes

dondoca de agora, amanhã de coturno
segue sempre os passos de um antigo perjuro
a arte imita a arte que imita tudo
e é profunda, é verdade, bem no fundo

mas somos piores que os pintores de florença
ridículos comparados aos poetas de provença
michelângelo cagaria em cima de nossas estátuas
bethoven se limparia com as nossas pautas

que é a nossa dança diante de um delírio índio?
que é um soco nosso perto de um clay vindo?
por que, se finda é a arte, continuar mentindo?
repetir o que se repetiu de novo se repetindo?

(Marcos Prado)

4 comentários:

Anônimo disse...

graaande Marcos!
saudadinha
bj
doris

Andrizy disse...

Oi, eu me chamo Andrizy e sou estudante de jornalismo. No momento estou envolvida num projeto de uma revista laboratório para a faculdade. Gostaria de saber se seria possível marcar uma entrevista para falarmos a respeito de seu blog. A minha pauta trata de escritores e poetas blogueiros. Se for possível, aguardo contato. Meu email é: andrizy_selenita@yahoo.com.br

+ malocas disse...

Tudo bem, Beco ? Depois de 2 anos fora do ar, voltamos com o Malocabilly. Aguardo tua visita.

Sérgio Viralobos

Anônimo disse...

beco
cade vc?
eu vim aqui so pra te ver!
bj
doris