terça-feira, maio 02, 2006

Nossos comerciais, por favor.

O Juca Kfouri, no melhor programa esportivo do rádio, ao chamar o intervalo para os comerciais, diz: "está na hora do seu remedinho, dona Nadir". Pois, então, aqui vão quatro recomendações, algumas urgentes, outras urgentes urgentíssimas, de coisas bacanas que o bando anda colocando no mundo. Os links, em vermelho, facilitam o encontro.


Não temos nada a perder é o magnífico livro do Thadeu com o Sérgio Viralobos, que tem a vitalidade de um pedaço de floresta amazônica nascido em pleno deserto do Saara. Para conseguir, tem uma manha: entre no blog do polaco da barreirinha e encomende com o próprio.


Tem ainda a versão em prosa narrativa da peça teatral do Gógol, O Inspetor Geral, que eu fiz para a Editora FTD. É para ter em qualquer livraria do país. Se não tiver na sua, encha o saco da editora que aparece. Até eu, que escrevi e fui obrigado a ler umas quinhentas vezes, ainda acho engraçado.

E o Ultralyrics, do Marcos Prado, organizado pelo grande timoneiro Felipe Hirsch, apresentado por mim, com texto da contracapa do Mário Bortolotto, o emocionante depoimento histórico do Solda e, de quebra, um CD com canções do Beijo aa Força. Se você ainda não tem, implore à editora, a Travessa dos Editores, para ser mais exato.

E, para finalizar esse verdadeiro guia de bons companheiros para sobreviver à selva do existir, vá ao show do Carlos Careqa, em São Paulo. E o cara teve a manha de não cobrar nada.

Para não ficar sem nenhum poeminha, aqui vai a mais nova profecia do poeta, compositor, escritor, instrumentista e maestro Adriano Sátiro:

aquém do horizonte

eu nunca fui flor que se cheire
porém, eis-me aqui sentado no vaso
um bom lugar pra escrever poemas
e pra cagar,
talvez até seja o caso
depois da obra feita mãos ao pente
frente pro espelho
que mostra meu perfil
se lavar as mãos é ser indiferente
escovo alguns dentes e com outros sorrio


(Adriano Sátiro)

9 comentários:

Nora Drenalina disse...

Beco: Muito bacanas os teus poemas, Guardador de Vacas(esse nome é legal também, pois obriga o anarfa a puxar a referência lá da lusitânia!) Escuta, você não é amigo do Comedor de Ranho? Se não é, poderia ser, veja lá: http://www.comedorderanho.blogspot.com
Abraços
e sucesso.

Eu, como anarfa de pai e mãe, quero saber dessa referência à lusitânia a que você se refere. Explique-se, menino, por favor.

roberto prado disse...

Não tem segredo não, Nora: O Guardador de Rebanhos é o nome de um livro do Fernando Pessoa, sob o heterônimo Alberto Caieiro. Daí veio o "Guardador de Vacas" lá do blog onde você achou o comentário. Beijos.

Anônimo disse...

çó pra nun ficar çem verçinhos:


aquém do horizonte
(çátiro)

eu nunca fui flor que se cheire
porém, eis-me aqui sentado no vaso
um bom lugar pra escrever poemas
e pra cagar,
talvez até seja o caso
depois da obra feita mãos ao pente
frente pro espelho
que mostra meu perfil
se lavar as mãos é ser indiferente
escovo alguns dentes e com outros sorrio

roberto prado disse...

Adriano, Limitei-me a obedecer. Grande abraço.

Anônimo disse...

valeu!

roberto prado disse...

Não sei que disse "valeu!", mas se você disse "valeu!", eu acredito. Abração.

Ligia disse...

Já verifiquei: o Inspetor Geral by Beco tem na Livraria Cultura! Oba.

roberto prado disse...

Olha aí a Lígia, tão grande pessoa que agora é duas! Os paulistas que façam o favor de obedecê-la: Inspetor Geral, versão Roberto Prado, na Livraria Cultura. Beijos, Lígia queridíssima!

Anônimo disse...

ô beco, como açim, nun çei? craro qe çô eu. ou vçê conhesse otra peçoa xamado amônimous? valeu di novo.