quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Está na cara?

Tenho que aprender a postar imagens, então melhor começar pela minha própria fuça, vista pela lente do múltiplo Bira (que, assustado com a violência curitibana, zarpou para o Rio). E já que o caso é de colocar a cara à tapa, vai também mais um poema do Apenas um coração fazendo barulho.



do parto ao ponto de partida


tomado um passeio

com ola e olé no meio

levou, além do voleio,

a vaia que devolveu sua fuça ao espelho


colocado pra escanteio

veio de quebra

na volta

o maior vareio


mancando desmascarado

sob a sanha assassina

da massa ensandecida

suou sangrando

e sozinho

o banho de bola

da sua vida

(Roberto Prado)

6 comentários:

polacodabarreirinha disse...

Tomara que o livro saia logo, Beco. Sensacional essa do Fábio lançar pela Travessa dos Editores.
Vê se apressa e manda logo os originais. Eu ainda não li, mas já gostei.

Abraço

Bárbara Lia disse...

Roberto,
boas notícias! o blog, o livro, fico feliz e vou chegando assim, sem intimidade prá te chamar de Beco, como o Thadeu... mas, me
sentindo em casa. Com certeza a poesia só tem a ganhar com tudo isto, e muita emoção por descobrir o teu carinho com minha poesia, isto dá um ânimo muito grande.
Beijos

roberto prado disse...

Duas visitas ilustres, mas que deixam a gente bem à vontade. Bárbara, sem cerimônias, por favor. A não ser os cerimoniais da poesia, que são bem diversos. Legal ter você por aqui, espero que tenha gostado. Thadeu estou apressando ao máximo e, acredito, logo logo o livro estará na mão.

carlos careqa disse...

Grande Roberto, ainda me lembro daquele café com leite e pão que tomamos aqui em Sampa, no apertamento em que eu morava. Já se vão anos luz! Saudações pelo seu BROG. É bacana ler-lo pelado e de mão no bolso.
Congratulações Coxa Branca!

roberto prado disse...

Grandesíssimo Careqa! Lembro bem daquela semana. Eu fugi pra SP logo depois da morte do Marcos e encontrei você na rodoviária, que me passou endereço e telefone. Não foi só o pão com café com leite. Daquela feita você preparou um belíssimo peixe assado com batatas, aliás, muito bom. E assistimos a um filme muito estranho no centro cultural de um banco. E cotejamos a nossa versão do Tao com uma em alemão. E dá-lhe adrenalina, eu de carona, com aquele trânsito paulista, na sua Vespa envenenada. Você mudou daquele apartamento? Se não me engano você o dividia com um gaúcho. Obrigado, Careqa, pela paciência naquele momento e pela visita de hoje. E Coritiba sempre!

carlos careqa disse...

Cara nem lembrava do peixe. Que ótimo. eu mudei sim, agora estou numa casinha perto do parque.
Bom saber de suas memórias.
Aqui estou, quando quiser apareça para papearmos. abraço e boa sorte no blog.